Sexualistas contra Damares Alves e o pé de goiaba

Posted by:

É impressionante a campanha dos sexualistas contra a ocupante do Ministério dos Direitos Humanos, Damares Alves. Esse ministério e a Comissão de Direitos Humanos da Câmara tinha se transformado num feudo dessas pessoas. Tudo que se tratava nesses dois órgãos estava ligado, prioritariamente, ao sexo e à liberação sexual absoluta.

Nos meus conhecimentos, os sexualistas iniciaram essa desenfreada corrida sexual em Woodstok, em 1.969, com o lema Paz, Amor e Sexo. Acho que se esqueceram da paz e do amor pelo caminho. O sexo livre foi o objetivo mais buscado. E o sexo é uma das causas pelas quais o mundo está de cabeça para baixo.

Antigamente, nas esferas criminais, havia uma predominância dos desentendimentos e crimes em relação ao dinheiro e ao amor, este com características de posse. No Tribunal do Júri, várias vezes, presenciei a apresentação pelos advogados da tese da legítima defesa da honra. Se a mulher traía o homem, ele poderia cometer o homicídio.

O julgado do STJ, de 2001, mostra que a tese é rejeitada pela justiça. Felizmente, há tempos não ouço falar nessa possibilidade de defesa. Não consigo entender a lógica da autorização para matar por amor. O amor faz exatamente o contrário, quer o bem da pessoa amada e não sua morte.

Mais recentemente, entraram nas esferas criminais os crimes sexuais. Tenho lido notícias de assassinatos a facadas, muitas facadas. Um amigo meu, homossexual, foi morto a facadas. Alardeia-se uma quantidade enorme de crimes contra homossexuais por homofobia. Existem os crimes de homofobia. Se analisarmos o processo de cada crime cometido, veremos que a maioria deles ocorreu entre os grupos de relacionamento dos homossexuais. Os crimes são praticados pelos mesmos motivos apontados para os heterossexuais: amor, dinheiro e sexo.

A busca incansável da descriminalização do aborto, além dos objetivos comerciais dos interessados que até aportam navio nos mares afastados das milhas nacionais, tem por objetivo a eliminação das responsabilidades dos parceiros, homem e mulher, do ato sexual consentido. Há um erro na utilização do vocábulo indesejado. Alguém compra um carro indesejado?

Alguém come uma comida indesejada? O ato sexual descompromissado, sem responsabilidade nenhuma é o objetivo final. No mercado e nos postos de saúde já existem inúmeros tipos de proteção para o ato sexual não gerar uma vida. No entanto, ainda há o empecilho da criança, no caso de não haver a prevenção contra a gravidez. O casal pratica, gostosamente, o ato sexual e pode, inesperadamente, ter a notícia da gravidez. O ato sexual indesejado é o estupro, já tipificado no Código Penal.

No livro que escrevi, para comparar, mencionei o caso do motorista que bebe. Ele está proibido de beber. Se beber, assume o risco de matar as outras pessoas nas ruas. No caso do ato sexual, a responsabilidade de criar a criança deve ser assumida por quem pratica o ato sexual consentido. É uma gravidez inesperada e não indesejada. O STF errará profundamente se autorizar a descriminalização do aborto, porque a decisão aumentará a irresponsabilidade dos casais, casados ou não, em relação às crianças. Será a felicidade dos sexualistas a possibilidade de matar as crianças geradas nos atos sexuais consentidos e a infelicidade da Nação, manchada com a morte dos seus filhos.

Quanto ao pé de goiaba, ou seja, a religião, há uma campanha maciça a favor do laicismo, para eliminar a religião, e por tabela a família e a doutrina cristã, para tornar todas as pessoas dependentes do Estado. O Estado será o pai e a mãe de todos. A França expulsou o cristianismo e adotou o laicismo. Estamos vendo os resultados. Não o queremos para o Brasil.

O povo brasileiro, apesar de ter sido atacado fortemente pelos laicistas e sexualistas nos últimos anos, manteve sua sensatez. Continuou preservando a família, base de toda a sociedade, e a sua religiosidade, de amplos matizes.

A eleição do presidente Jair Messias Bolsonaro, absolutamente contrário ao aborto e favorável à proteção total das crianças, e a nomeação da Dra. Damares Alves mostram, aos laicistas e sexualistas, que os brasileiros não aceitam seus comandos.

Os pequenos grupos de laicistas e sexualistas, com o politicamente correto, estavam tentando impor à maioria do povo as suas ideias e comportamentos, que foram rejeitados nas eleições de 2018.

O Brasil, continuará sob a proteção de Deus, tal como escrito no preâmbulo da Constituição Federal e com paz e amor juntará todos os brasileiros no caminho da sensatez.

Temos a esperança de ter um Brasil com os princípios humanístas, éticos e cristãos recuperados, gerando muita prosperidade para todos.

0

Add a Comment